Sistema de Cabeamento Estruturado em Prédios Comerciais

Em telecomunicações, cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios de transmissão para redes de informática e telefonia. Um sistema de cabeamento estruturado bem projetado e organizado traz diversos benefícios para as empresas:
  • Reduz custo com novas instalações
  • Facilita manutenções mais rápidas e seguras
  • Garantia de desempenho pela confiabilidade do cabeamento
  • Diminuição de custos de mão-de-obra
  • Possibilidade de uma vida útil maior para o sistema
As normas TIA (Telecommunications Industries Association) definem um conjunto de práticas de telecomunicações para cabeamento estruturado com suporte a ambientes multiprodutos/multifornecedores, além de estabelecer critérios técnicos do sistema de cabeamento. A figura 1 da Norma ANSI/TIA-568-C.1(2009) é reproduzida abaixo e traz uma síntese das principais normas técnicas para padronização de cabeamento estruturado.
Fonte: ANSI/TIA-568-C.1 – Commercial Building Telecommunications Cabling Standards (2009)
A figura 2 da Norma ANSI/TIA-568-C.1 (2009) é reproduzida abaixo e traz um layout representando prédios comerciais e seus respectivos componentes no contexto do cabeamento de telecomunicações. Na sequência trago outra figura que prefiro utilizar para explicar esse layout da norma, onde destaco os códigos adotados para referenciar seus componentes
Fonte: ANSI/TIA-568-C.1 – Commercial Building Telecommunications Cabling Standards (2009)
1. Entrada do Edíficio ou EF (Entrance Facilities)
São as instalações de entrada que interligam o cabeamento externo vindo das operadoras/provedores ao backbone vertical do edíficio (rede interna), onde fica o ponto de demarcação. A separação desse espaço é importante para que os técnicos da operadora, ao realizar qualquer manutenção, somente tenham acesso físico aos equipamentos da operadora (normalmente em regime de comodato). A norma ANSI/TIA-569-Cespecifica os aspectos de projeto de construção civil dessa sala.
2. Sala de Equipamentos ou ER (Equipment Room)
Essa sala aloja os equipamentos de maior complexidade que compõem o núcleo da rede, a exemplo dos switches de agregação de onde saem uplinks para os demais switches de acesso, fazendo a distribuição do cabeamento de backbone (vertical). Nessa sala podem existir alguns cabos horizontais interligando terminais importantes na infraestrutura da rede, a exemplo de servidores. A norma ANSI/TIA-569-Cespecifica os aspectos de projeto de construção civil dessa sala.
 
3. Cabeamento de Backbone ou BC (Backbone Cabling)
O cabeamento de backbone também é chamado de cabeamento vertical (ou backbone de edíficio) e propicia a interligação entre os pisos/andares (salas de telecom) do prédio. Os tipos de cabos (compostos ou individuais) reconhecidos para uso no backbone são:

  • Par-Trançado de 100Ω (Cat3, Cat5e, Cat6 ou Cat6A);
  • Fibra Óptica Multimodo de 50/125µm, Laser Otimizado p/ 850nm;
  • Fibra Óptica Monomodo;
4. Sala de Telecomunicações ou TR (Telecommunications Room)
A sala de telecomunicações, que também pode ser apenas um armário de telecomunicações, consiste na área dentro de um edíficio que aloja os equipamentos do sistema de cabeamento horizontal do andar/piso (patch-panel e switch) e sua respectiva ligação ao cabeamento backbone. A norma ANSI/TIA-569-Cespecifica os aspectos de projeto de construção civil dessa sala.
5. Cabeamento Horizontal ou HC (Horizontal Cabling)
O sistema de cabeamento horizontal estende-se da saída da área de trabalho (tomada de rede) até opatch-panel no armário da sala de telecomunicações. A norma recomenda que o comprimento limite do cabo horizontal seja 90m, sobrando 10m para os cabos de manobra do canal. Os tipos de cabos reconhecidos para lance horizontal são:

  • Cabo UTP ou Blindado de 4 Pares de 100Ω (Cat5e, Cat6 ou Cat6A);
  • 2 Fibras Ópticas Multimodo;
  • 2 Fibras Ópticas Monomodo;
 
6. Área de Trabalho ou WA (Work Area)
Diz respeito à estação de trabalho propriamente dita, cujos terminais podem ser computadores, telefones, câmeras, etc. A fiação da área de trabalho é projetada para ser de interconexão relativamente simples, de forma que deslocamentos e alterações sejam fáceis.
Pontos de Distribuição do Cabeamento
(Conteúdo Adicionado em 07/10/2014)

As siglas MCIC e HC representam pontos de distribuição do cabeamento da rede, ou seja, são os equipamentos passivos (patch panels). O MC (Main Cross-Connect), também denominado Distribuidor C, é utilizado na agregação do backbone de prédios distintos em ambientes de área campus (três níveis), conforme ilustrado na figura abaixo. O IC (Intermediate Cross-Connect), também denominado Distribuidor B, é utilizado na distribuição do cabeamento de backbone no mesmo edifício. Ambos os pontos MC e IC ficam localizados na(s) Sala(s) de Equipamentos (ER).

Fonte: ANSI/TIA-568-C.1 – Commercial Building Telecommunications Cabling Standards (2009)

O ponto HC (Horizontal Cross-Connect), também denominado Distribuidor A, fica localizado nas Salas de Telecomunicações (TR) e é utilizado na distribuição do cabeamento horizontal lançado até as tomadas de rede.  As tomadas são denominadas TO, do inglês Telecommunications Outlet.

Uma observação importante é que em ambientes menores, por exemplo onde existe um único prédio, não é necessário que existam ambos os pontos MC e IC. Nesse caso, o MC fica responsável por distribuir o cabeamento de backbone diretamente até os pontos HC. Uma última observação é que as linhas pontilhadas (figura acima) representam ligações opcionais.